Meu desabafo sobre o desafio do gelo

Ontem eu assistir um vídeo que me fez refletir muito. E ao invés de fazer um post, eu fiquei com vontade de gravar um vídeo para vocês. Mas como sou tímida quando o assunto é gravar vídeos, então resolve escrever, e espero que vocês leiam. 
 Nesses dias eu estava muito triste. Na verdade, nessas últimas semanas. Para quem me acompanha desde do ano passado, viu que eu fiz uma cirurgia. Tirei um cisto do cóccix, e fiquei durante alguns meses de molho (a cirurgia foi no dia 17 de setembro de 2013). É uma cirurgia que fica aberta e que é só o tempo para fechar. E como foi muito grande, então demorou uns 4 meses. Mas depois disso eu tinha que continuar repousando e fiquei um pouco limitada. Enfim, os meses foram se passando, e nesse mês eu tive que voltar no hospital porque abriu um buraquinho e o médico disse que eu vou ter que fazer uma nova cirurgia. Com essa notícia eu fiquei muito triste. Pois ano que vem (em Janeiro, no dia 29) já vou fazer 20 anos, e estou com esse problema desde os meus 16 anos. E é muito ruim ser limitada em algumas coisas. Como não poder usar short/calça, não poder usar salto alto, não poder andar de bicicleta, nem de moto, nem de ônibus. Não posso comer comida reimosa, e se eu ficar muito tempo sentada dói muito. Porque sai todo dia secreção e sangue, e dói bastante, inclusive na crises. Ou seja, além dessas coisas, tem muitas outras que eu não posso fazer.

Mas também nessas últimas semanas começou o desafio do gelo. Que eu duvido muito que você não saiba do que eu estou falando. E no começo eu não sabia o que era e fui pesquisar na internet para saber sobre o que se tratava. Quando eu li sobre a doença eu fiquei muito assustada. Não sabia que existia, e fiquei bastante triste. E desde então fiquei acompanhando os vídeos dos desafios e achando legal todo mundo participando e doando. Além dos vários vídeos sobre o desafio do gelo, ele foi um dos assuntos mais comentados na internet nessas últimas semana, e com isso surgiu várias pessoas insatisfeitas por estarem cansadas de ver tando desafio, e sobre a doença. 

E navegando pelos blogs, eu vi esse vídeo (é esse vídeo do post) no blog da Isabela, e fiquei em choque. Pensei em mim, no meu problema, nas minhas limitações e vi que nada do que estou passando se compara com as pessoas que estão com a doença ELA. Quando soube da doença fiquei espantada, mas ver esse vídeo foi muito assustador. Muito mesmo! Saber da doença é uma coisa, agora, ver a doença e ver um testemunho de quem tem a doença é bem diferente. É muito diferente! 

Por mais que meu problema seja chato, e tem horas que dar vontade de morrer, mas eu sei que tem solução; e essas pessoas que tem ELA? Como faz? 

Foi por isso que eu resolve falar sobre o assunto. Tem tantas pessoas por aí reclamando da vida, reclamando porque não tem roupa nova, não ganhou presente no aniversário, ou reclamando do colégio. Sei lá, as pessoas não precisam de motivos, elas simplesmente reclamam de tudo e de todos. Parem com isso, por favor! Enquanto você está aí, com casa, comida, com pais vivos, e que não falta nada para você; tem pessoas morrendo, com fome, morando na rua... E o pior, tem pessoas morrendo aos poucos. Deve ser horrível ver que aos poucos você vai morrendo, dependo mais das pessoas para fazer as coisas, e saber que vai morrer em alguns anos. Já pensou? 
A pessoa planeja a vida dela toda. Pensa em se formar, casar, ter filhos, viajar... E pá! Uma doença aparece e a pessoa descobre que não vai poder viver nada daquilo que planejou. Deve ser horrível! 

Então não reclame da vida. Não queira viver a vida de ninguém. Viva a sua vida. Aproveite cada dia. Ame as pessoas, e principalmente os seus pais. Respeito não mata ninguém. O que mata as pessoas é a falta de amor. 

Ufa! Acho que falei tudo o que eu tinha para falar. E para entender melhor do que estou falando, assistam o vídeo: 

CONVERSATION