O fim de uma dor


Tudo começou a mais de 2 anos atrás. Em agosto de 2011 eu machuquei o meu cóccix, que para quem não sabe fica no finalzinho da coluna. A princípio o médico dizia que eu havia machucado o meu músculo e iria demorar um tempo para me recuperar. Só que em 2012 eu descobrir que tinha um cisto no cóccix, que por sinal é muito comum, conheci várias pessoas que teve. Antes eu nem sabia que isso existia. Se eu quisesse ficar boa eu tinha que fazer uma cirurgia. É assustador no início, mas é muito melhor do que ficar com um cisto. Eu fiquei 2 anos e 1 mês com aquele cisto. Pode não parecer muito tempo, mas para mim foi muito tempo. Só quem já passou por isso sabe como é. 

Passei esse tempo usando 2 absorvente na calcinha, porque saia sangue e secreção direto. Toda vez que ia tomar banho, era mais 2 absorvente. Minha mãe comprava de pacotes grandes. Eu também sentia muitas dores, um desconforto horrível. No ano de 2012 foi o meu último ano na escola, e foi muito ruim. Porque eu tinha que usar calça, e a dor era muito grande. Andava toda torta e devagar, quase que parando. Não pude aproveitar nada do meu último ano na escola. E é claro que a tendência era piorar. Nesse ano eu não estava mais usando short, e nem salto alto, porque sentia dor. Então tudo o que eu fazia era ficar dentro de casa. Porque fiquei muito limitada: Não podia andar muito, não podia sentar direito, não podia tomar banho direito, porque a água batia e sentia dor, e nisso eu não podia lavar direito o meu cabelo. Enfim, não podia fazer muito coisa. 

E com isso fiquei sem energia, fiquei desanimada, com baixo estima. É muito ruim se sentir assim. Eu vi meus amigos indo para a faculdade, e eu dentro de casa sem poder fazer nada. E não to contando isso para sentirem pena de mim, mas para contar que aquele cisto não trouxe só coisas ruins. Porque tudo na vida tem o seu lado bom, sabiam? Durante esse tempo eu pude perceber que a vida é muito curta para a gente perder tempo com besteira, parece clichê né? Mas quando a gente passa por uma situação difícil, inclusive se essa situação for em relação a saúde da gente, é que podemos ver que essa frase é super importante. Muitas coisas eu pude aprender, e uma delas é ser agradecida. Agradecer por tudo o que Deus me deu, por todo o cuidado que ele tem por mim. Tem pessoas que se perguntam porque Deus permiti que esse tipo de coisa aconteça, e eu respondo: Porque temos que passar por isso. Temos que aprender coisas importantes para moldar o nosso caráter. 

Sofri bastante, mas aprende bastante também. E fico muito feliz em poder dizer que no dia 17 de setembro eu fiz a minha tão sonhada cirurgia. Só Deus sabe o quanto foi difícil conseguir essa cirurgia. Mas eu conseguir! E ainda estou sendo observada pelo médico, e por sinal, ainda estou fazendo curativos. Para quem não sabe como é feito a cirurgia, ela fica aberta. Sim, fica um buraco aberto. E vem sarando de dentro para fora. Não tem mais buraco, to só esperando a pele de cima fechar e cicatrizar. 

No começo quando eu descobrir que tinha um cisto e ia ter que passar por uma cirurgia, fiquei bastante triste. Chorei bastante. Resmunguei bastante. Só que aos poucos fui aprendendo coisas super importantes, como já falei. E quando fui fazer a cirurgia, me internei um dia antes no hospital, e me colocaram no quarto com uma menina que tava com câncer nos rins. Foi quando a minha ficha caio. O meu problema não era nada em relação aquela garota. O meu problema tinha solução e no caso dela não. Até hoje eu gostaria de saber se ela ainda está viva. E foi aí que eu puder perceber que eu reclamava muito da vida, e tinha que parar com isso. No hospital eu vi casos muito piores, de doenças horríveis.  

Existem pessoas que tem tudo na vida e vivem reclamando. Graças a Deus não sou mais assim. E para finalizar, eu quero dizer que eu tenho um motivo muito grande para agradecer a Deus. Minha mãe soube de uma pessoa que tem o mesmo cisto que eu tinha, e ela não vai poder fazer cirurgia, porque o cisto criou raízes, ou seja, ela vai passar a vida toda com aquele cisto horrível. Tenho ou não tenho motivos para agradecer a Deus?   

CONVERSATION

8 comentários:

  1. Eu imagino que tenha sido muito dolorido, mas não senti por tanto, não sei como é e se me permite nem pretendo passar pelo o que você passou, sim nós temos que parar de reclamar e perceber que o nosso mundinho não é nada comparado ao do outro, os problemas e as visões são diferentes. Parabéns pela concepção, compreensão e melhora (é claro!)

    Beijos Isadora
    www.mymomentofgirl.blosgpot.com
    www.facebook.com/MyMomentOfGirl

    Da uma passadinha?

    ResponderExcluir
  2. aii flor que nervoso, quando você falou a parte do sangue..
    Tenho horror a sangue.. rs
    Mas que ótimo que você ficou boa e realmente essas situações servem para aumentar a nossa percepção sobre a vida..

    http://pamlepletier.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. muito lindo seu poste e parabens por enfrentar tudo com muita garra e no fim vencer, vc e uma inspiração para todas as pessoas que vivem reclamando da vida, bejoos flor lindo blog curti

    ResponderExcluir
  4. Realmente as vezes passamos por dificuldades como está para poder ficarmos mais fortes e mais agradecidas. Com certeza isso tudo que você passou lhe serviu como lição pra vida toda.
    Fico muito feliz de saber que já está bem, e com certeza deve agradescer fielmente todos os dias a Ele.
    Beijo, beijos ♥

    Dearitgirl.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. É precisamos um pouco parar de reclamar e olhar para o lado, mas é difícil né..

    beijinhos, Rê
    http://garotas-urbanas.com

    SORTEIO ESPECIAL DE NATAL -> http://garotas-urbanas.com/2013/12/01/sorteio-especial-de-natal/

    ResponderExcluir
  6. Eu já quebrei o cóccix, dói, e demora pra melhorar... um cisto então, deve ter dado trabalho mesmo! Tenho uma facilidade pra quebrar, mas graças ao bom Deus isso não acontece a muito tempo, e tenho fé que não vai voltar a contecer, sempre tenho muito cuidado também. Quando quebrei a perna, foi muito difícil, passei por algumas das coisas que você disse acima, a baixa auto estima, e algumas pessoas também se afastaram. Comecei a usar cadeira de roda, depois usava muletas, e acho que nem todo mundo se sentia bem de ficar perto, chamava atenção, sabe? Mas os verdadeiros permaneceram do meu lado, tinha gente que eu não sabia que gostava tanto de mim, e com isso fiquei sabendo, tinha gente que eu considerava e quando eu mais precisei, sumiu. Pra mim, olhando pra trás hoje, acho que foi tudo muito válido, apesar das dificuldades e das dores, eu pude começar a valorizar quem realmente importava, e a valorizar também as pequenas coisas da vida, como tomar um banho normalmente, trocar de roupa sozinha, conseguir caminhar, ser independente, poder correr, dançar... coisas básicas mas que se a gente pensar bem são as melhores!

    Também, do mesmo jeito que você contou da menina com cancêr, no tempo que passei no hospital, e indo até lá com frequência, eu conheci muita gente com problemas piores do que o da minha perna e que ainda assim sorriam, ainda assim tinham experanças e aquilo também me fez refletir: Poxa vida! Tá demorando pra melhorar, mas eu sei que vai. E as pessoas que não tem uma perna por exemplo? E quem precisa de uma cadeira de roda pro resto da vida? Não dá pra desistir porque uma coisa não dá certo, se nem essas pessoas desistem, é porque viver, realmente deve valer a pena. Foi por ai, que entendi, que todos os desafios não acontecem por acaso, e que se forem enfrentados com um sorriso no rosto, muito otimismo, fé em Deus sempre e pessoas boas do nosso lado, no fim tudo dá certo, assim como, já está dando pra você, então agradeça mesmo, sempre dê graças, porque nosso Deus é um Deus vivo e que merece MUITO! Parabéns por mais essa vitória, sem dúvidas você é uma pessoa abençoada Thalita!

    http://sentirodrama.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Instagram

Segue aí!